Sobre a raiva

Afivelei a corda na cintura e olhei para cima. O corpo dele cobria o sol. Não estávamos nem na metade.

– Clara. Oi, Clara. Acorda!

Ele me chamava irritadiço. A corda mexia, balançando-nos levemente no ar. “Oi” eu disse.

– Eu vou subir até aquela elevação ali. Não faz merda agora.

O que ele queria dizer com isso? Onde foi que eu fiz a primeira merda? Eu só estava ali subindo como qualquer outra pessoa. Ele foi para frente. Eu fiquei um pouco para trás.

Não é como se ele merecesse aquele obstáculo mais do que eu. Talvez eu me sentisse mais sozinha naquele momento. Eu tinha consciência da altura. E a verdade é que ela não me parecia tão gigante.

Ele tremia as pernas tentando projetar o corpo para o declive.

Desafivelei a corda.

– Oi oi, que isso Clara?!

– Estou descendo. Eu já conheço essa montanha.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s